Actividade do Canil Municipal de Lisboa

Actividade do Canil Municipal de Lisboa (1)

 Os quadros e gráficos elaborados a partir dos dados sobre a actividade do Canil Municipal de Lisboa podem ser vistos aqui

Podemos concluir que, ao longo do período considerado (2002-2009), entraram cada vez mais animais no canil/gatil de Lisboa (referimo-nos apenas aos animais vivos e a gatos e cães). Nestes últimos 8 anos, entraram, em média, 2 700 animais por ano tendo sido possível garantir uma mesma ordem de saídas através fundamentalmente do abate.

Metade dos animais que entraram no canil foram abatidos e 20% morreram, os restantes 30% ou foram restituídos ou então foram adoptados. A taxa de mortalidade (abates mais óbitos) ronda os 70%.

Face ao aumento de actividade sobretudo das capturas, mas também das entregas de animais, todas as saídas cresceram, por exemplo o abate cresceu 39% em 2009 face a 2002, enquanto o número de óbitos mais do que duplicou, tendo mesmo quadriplicado para o caso dos gatos.

Conclui-se, portanto, que a capacidade de acolhimento não aumentou, pois o aumento das entradas é acompanhamento por igual movimento de saídas, sendo o abate a solução definitiva mais utilizada.

 No Canil de Lisboa, em 2009, entraram por dia, aproximadamente, 10 animais no canil. Destes 7 morreram, dos quais 5 foram abatidos.

 A informação que existe aparenta alguma inconsistência, sendo apresentada numa óptica de “gestão de stocks”, desconhecendo-se, por exemplo, o motivo do óbito, o tempo de permanência, a capacidade instalada para permanência de animais e quais as condições de vida proporcionadas aos animais que permanecem no canil.

Fica, portanto, um conjunto de questões por responder, tais como, o que é que justifica o aumento tão significativo de óbitos? Quais os cuidados médico ou veterinários prestados? O porquê do aumento das capturas a par do aumento das entregas?  Entre os abates praticados pelos veterinários do canil quantos correspondem a animais que são entregues com doenças terminais e com indicação médica de eutanásia?

Estas e outras questões devem ser respondidas por quem detém responsabilidades nesta matéria de forma a que os munícipes de Lisboa compreendam as estratégias seguidas pela CML no que respeita os animais abandonados da cidade. Será que os habitantes de Lisboa querem:

1)     continuar a pensar que hoje deram entrada no canil  mais 10 animais e que 5 vão ser abatidos?

2)     continuar a viver com o horror da falta de solução para os milhares de animais que vivem nas nossas ruas e cujo futuro será a morte?

3)     explicar aos nossos filhos que pagamos impostos para que uns senhores tenham a tarefa de capturar o animal, em condições, por vezes, brutais, para o deixar morrer ou então para o abater?

4)     continuar a ouvir os animais chorarem e não fazerem nada?

 Ou vamos mudar de políticas e encontrar soluções sustentáveis e de acordo com o respeito pelo bem-estar dos animais em harmonia com os cidadãos de Lisboa?

 Ficam as perguntas e a vontade de implementar as soluções.

(1) Os dados que servem de base a esta análise têm as seguintes fontes:

Dados de 2002 a 2006 : http://www.parlamento.pt/ActividadeParlamentar/

Paginas/DetalhePerguntaRequerimento.aspx?ID=38344

Dados de 2007 a 2009 : enviados, a pedido, pela CML, vereação do Dr. Sá Fernandes, em 18 de Junho de 2010

4 Respostas to “Actividade do Canil Municipal de Lisboa”

  1. Ana Matrena Says:

    Infelizmente a taxa real de mortalidade dos animais que entram no canil será bem mais elevada do que os referidos 70%.
    Pelo menos dos gatos que são adoptados há uma percentagem significativa que morre após a adopção e a maioria requer tratamento veterinário imediato.

    É importante que os adoptantes documentem a situação clínica dos animais que retiram do canil de Lisboa e que, mesmo nos casos em que se salvam, façam chegar aos responsáveis do canil os relatórios médicos dos tratamentos que foram necessários.

    As condições em que os animais, e falo com conhecimento de causa no que se refere aos gatos, são mantidos aumentam o risco de contágio e a proliferação de doenças muitos graves e mortais.

    Também os níveis de stress são elevadíssimos pois gatos de diferentes origens partilham jaulas.
    Tenho registo de pelo menos duas mortes por PIF, doença que é amplamente referida pela classe médica veterinária como sendo desencadeada nos gatos por situações de stress.

    A quem abandona animais no canil, trata-se de abandono e não de entrega, peço que os vá colocar na box e corrente ou jaula onde vão ficar e que não se limite a deixá-los ao portão num mero acto administrativo.
    Se são indignos com o gesto de deixar ali para morrer um animal que vos foi confiado sejam pelo menos dignos de levar na consciência a imagem da pena de morte a que o condenam.

    A quem retira habitual ou pontualmente animais do canil peço que sejam vigilantes e atentos e que para além de salvar a vida de alguns se empenhem nesta Campanha de Esterilização para que nenhuns outros voltem a morrer em canis de abate.

    A Câmara Municipal de Lisboa tem implementado o Programa CER para esterilização de colónias controladas de gatos de rua:

    http://lisboalimpa.cm-lisboa.pt/index.php?id=993

    Os particulares podem colaborar capturando os gatos e levando-os ao canil para esterilizar.
    Se o fizerem e se assegurarem também o pós operatório (que nos machos é apenas de uma noite) evitam a permanência dos animais nas instalações e vão requerer que os serviços veterinários dediquem mais tempo a esta área altamente positiva de intervenção.

  2. Margarida Garrido Says:

    Obrigada Ana pela pertinência deste comentário.
    Ontem e hoje, 18 e 19 de Agosto, o site registou quase 100 visitas por dia. Infelizmente , os comentários são sempre escassos .
    Claro que as pessoas que estão mais envolvidas nesta Campanha de Esterilização de Animais Abandonados nunca desistirão de lutar pela única saida para acabar com tanto sofimento.
    Mas é humano desejarmos um feedback de quem nos lê…

  3. Maria Says:

    Muitos parabéns pela publicação deste tema e pela sua exposição tão clara e bem fundamentada! Noticiem os passos que continuam a ser dados nesta direcção e voltem a relembrar que urge mudar, para que não seja mais uma triste realidade desvalorizada, voltando a cair no “esquecimento”. Infelizmente, ainda há muita gente que ignora a situação real deste país e a grande maioria tem uma visão distorcida sobre o que é um canil/gatil municipal.
    O diário de terror destes animais tem de ser dado a conhecer a toda a gente e, daí, a importância dos média para fazer chegar a informação. Todas as notícias que têm chegado são demasiados softs e causam pouco impacto. Há que “chocar” mais um pouco, embora sabendo-se que mesmo assim fica sempre aquém do que de facto se passa.

  4. Maria Gomes Says:

    Dou os parabéns pela divulgação e pela iniciativa. Este é o caminho do ser humano civilizado: prezar os animais e defendê-los.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: