Lisboa – visita ao canil com novos incidentes. Obras continuam paradas.

Apesar de terem ficado com os pneus furados, concretizou-se hoje, 5/12, entre as 11h e as 12h10m, a visita da autora da providência cautelar e de uma voluntária do Grupo de Lisboa ao canil/gatil de Lisboa para visitar os animais aí detidos e verificar o cumprimento das diversas alíneas da sentença da providência cautelar.

Acção idêntica, em que a autora estava acompanhada do advogado, tinha anteriormente sido gorada pelos responsáveis do canil/gatil (ver post de 19 de Outubro). Posteriormente, e em resposta ao e-mail que lhe foi dirigido (ver post de 11 de Novembro), o novo técnico responsável pelo canil/gatil, Dr. Vasco Ribeiro, informou que a autora, na sua qualidade de munícipe, podia realizar a visita quando entendesse. E assim foi feito.

Inicialmente, a Drª Filomena e Drª Ana Machado, que receberam os membros do Grupo, tentaram limitar a visita aos animais detidos no canil 3 por serem os adoptáveis. Perante a cópia do e-mail recebido do Dr. Vasco Ribeiro, que referia o canil na sua integralidade e a recusa liminar de aceitar limitações à visita, iniciou-se a mesma.

 O canil 3 alberga actualmente 28 cães. A maior parte das jaulas só têm um animal,  mesmo que seja de porte mínimo. Muitos cães estavam molhados. Pelo menos 3 casotas não têm tecto. Nenhuma jaula tinha comida, que nos informaram só ser dada por volta das 13h.

No canil 1 (ala fechada) estavam hoje 16 cães, 6 dos quais de porte pequeno. Também não tinham comida.

 No canil 2 encontravam-se, em semi obscuridade,  9 animais, ditos “suspeitos de raiva” e em quarentena. O espaço das celas é mínimo e só têm o lajedo gelado e molhado para se deitarem.

 No gatil estavam 22 gatos (gatos/as adultos e juvenis) e 1 cachorro numa jaula. A maioria estavam juntos (5 jaulas com respectivamente 3/4 animais), mas as jaulas estavam com as divisórias abertas. Tinham comida, água e areia.

No final da vista, foram escritas reclamações no respectivo livro, por incumprimento das alíneas c) e) g) e k) (ver post de 18 de Julho)

Em relação à alínea j) – passeios dos cães – não foi obtido esclarecimento.

Da mesma forma, em relação às alíneas b) d) h), ignora-se se estão a ser cumpridas ou não.

 À saída, um insólito acontecimento esperava as duas visitantes: os 2 pneus do lado direito de uma das viaturas estavam completamente em baixo. Depois de chamado o reboque constatou-se, na oficina, que também os 2 pneus da direita da outra viatura tinham sido perfurados com um objecto cortante. Uma vez que os golpes foram feitos na parte lateral, os pneus ficaram inutilizados.

O acesso viário ao canil é exclusivo e termina na porta do mesmo, onde existe segurança permanente que garantiu que durante aquele intervalo de tempo ninguém do exterior tinha chegado ao canil.

Foi apresentada queixa-crime na PSP contra as pessoas presentes no canil/gatil, excluindo as três que acompanharam as visitantes.

 Conclusão: neste momento estão ao todo no canil/ gatil 54 cães e 22 gatos. Recordamos que antes da providência cautelar só o canil 1 chegava a ter 67 cães.

É preciso conhecer as estatísticas completas do movimento de entradas, saídas e abates no canil/gatil nos últimos meses para interpretar estes dados

 

 

 

2 Respostas to “Lisboa – visita ao canil com novos incidentes. Obras continuam paradas.”

  1. cristina Says:

    Um país em que os organismos estatais usam os métodos da Camorra para dissuadir os cidadãos de exercerem os seus direitos e deveres decorrentes da livre e responsável cidadania, tem que agradecer a intrepidez e coragem de quem sacrifica o seu conforto para dar voz aos seus elementos mais desprotegidos.
    Obrigada

    ps – agradecia que pusessem no site o valor dos pneus novos para podermos fazer uma subscrição.

  2. Ana Matrena Says:

    Contrariamente ao que a gestão do canil/gatil afirmou em várias reuniões e em tribunal, que os animais capturados no canil resultavam em grande parte de queixas e de recolhas por motivos de saúde pública e que muitos deles entravam já muito doentes, agora já parece possível reduzir drasticamente o número de animais detidos neste espaço de morte.

    O que aconteceu?

    Já não há queixas nem riscos eminentes e inadiáveis de saúde pública?

    A instituição deixou de cumprir as suas obrigações legais que antes justificavam capturas dia e noite por toda a cidade?

    Ou terá disparado, em tempo de crise e de potenciais abandonos com todas as associações a braços com a redução de adoptantes, o número de adopções de animais do canil?

    Ou…

    Explicações aguardam-se! Gestão consciente procura-se!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: