E-mail enviado ao Presidente da CML a propósito da captura de gatos na Calçada do Garcia, nº 6 , Lisboa

Exmo. Sr. Presidente da CML, Sr. Dr. António Costa,

Encontram-se, desde 14 do corrente, no gatil de Monsanto 12 gatos cujas donas, mãe e filha, foram vítimas de grave acidente, tendo uma morrido e encontrando-se a outra hospitalizada.

A situação destes gatos, que poderiam facilmente ser adoptados ou encontrarem uma família temporária de acolhimento, uma vez que são gatos de casa, torna-se muito complicada pelo facto de o canil/gatil de Monsanto não ter cumprido, no prazo que lhe foi dado de oito (8) dias, o ponto da sentença da providência cautelar que transitou em julgado em 5 de Julho de 2011 (em anexo), interposta pelo Grupo de Lisboa desta Campanha de Esterilização. Esse ponto obriga a colocar os gatos e cães entrados nas instalações num período de quarentena, de forma a prevenir as doenças que grassam no canil/gatil e que vitimam muito particularmente os gatos.

Assim, só pessoas que não tenham em casa outros felídeos poderão acolher estes 12 animais, pois doenças como a panleucopénia e o calicivírus, para referir algumas das que grassam no gatil, contagiam rapidamente outros gatos e são normalmente mortais. Provindo eles de um ambiente protegido, e com o stress causado pelas circunstâncias da captura (que nos dispensamos de comentar, mas de que V. Ex.ª se poderá inteirar pelo documento em anexo, que circula e está a causar viva indignação nas redes sociais) e pela permanência no gatil, mais vulneráveis estarão à contaminação.

No dia 31 de Janeiro de 2013, o Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa realizou, no seguimento de uma acção de incumprimento da sentença interposta por este Grupo, uma inspecção, tendo dado um novo prazo de 45 dias para a criação da referida área de quarentena, que foi estendido posteriormente até 22 de Abril, de forma improrrogável.

Em visita que realizámos em 2 de Maio, constatámos que a “área de quarentena” criada para os cães se resume a boxes do canil 1 que foram separadas por uma parede da restante estrutura e que são de todo inadequadas ao fim em vista, uma vez que a área exígua (1 m2) permite uma proximidade física que possibilita o contágio das doenças de que eventualmente padeçam, já para não falar do facto de não existir qualquer resguardo, e nem espaço, no caso de cães corpulentos, para os animais se deitarem e se protegerem, em espaço enxuto, durante e após a lavagem diária das boxes, pelo que permanecem, dia após dia, sobre uma superfície molhada, acorrentados pelo pescoço com correntes de 96 cm.

No caso dos gatos, NADA FOI PREVISTO.

Sr. Presidente, vimos pedir-lhe que tome nas suas mãos a situação do canil/gatil de Lisboa que, como V. Ex.ª sabe, revolta os munícipes de Lisboa.

Aproveitamos para lhe reenviar o link de uma petição http://www.peticaopublica.com/PeticaoListaSignatarios.aspx?pi=P2011N12335 com 1917 assinaturas em que se pede a V. Ex.ª uma nova gestão para o canil/gatil que alie os conhecimentos académicos e profissionais às técnicas modernas de gestão, à humanidade, ao respeito pelos animais e à urbanidade nas relações com os munícipes.

Na expectativa de uma intervenção de V. Ex.ª, apresentamos os melhores cumprimentos.

Grupo de Lisboa da Campanha de Esterilização de Animais Abandonados

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: